sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

14/01/2016 - Sampaio Corrêa 0x2 Palmeiras

Estádio Martins Pereira - Copa São Paulo de Futebol Júnior

Não pude ir ao jogo anterior, quando o Palmeiras goleou o Flamengo-SP por 4x1 e se classificou para pegar, mais uma vez, o Sampaio Corrêa na terceira fase. O Sampaio foi o líder do nosso grupo, mas o Palmeiras já estava muito mais maduro que o time que estreou na Copinha e dominou o jogo desde o começo, mas mesmo com mais volume não conseguiu abrir o placar no primeiro tempo.

No intervalo, Paulo Nobre apareceu nas tribunas e deu uma placa de agradecimento ao prefeito de São José dos Campos, pela 'acolhida' na cidade durante o campeonato. O time voltou mais ligado e tocando mais a bola. Claro que ainda há a questão dos contratos "temporários", fazendo com que muitos dos jogadores querem mostrar serviço a qualquer preço abusando das jogadas individuais.

Aos sete Kauê cruzou da esquerda para encontrar Daniel livre na área, e ele marcou o primeiro do Palmeiras (seu terceiro gol na competição). O Palmeiras então diminuiu o ritmo e chegou a levar certo sufoco, incluindo um lance em que Daniel Fuzato fez duas defesas incríveis (uma que ainda bateu na trave depois do desvio do nosso goleiro). O Sampaio foi pro tudo ou nada colocando atacantes e pondo o time pra frente, e acabou levando o segundo numa bobeada do goleiro - ele cobrou o tiro de meta fraco, rasteiro, nos pés de Felipe que calmamente limpou o lance e marcou.

Ao final os jogadores, mesmo debaixo de forte chuva, vieram comemorar a classificação com a torcida. Acredito que este gesto é muito importante para que eles sintam o que significa jogar pelo Palmeiras. O próximo confronto, nas oitavas de final, será contra o América-MG.








sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

07/01/2016 - São José FC 0x2 Palmeiras

Estádio Martins Pereira - Copa São Paulo de Futebol Júnior


Casa cheia para o confronto do Palmeiras contra um dos times locais - o São José FC (anteriormente chamado de Joseense) é o irmão caçula do São José EC, que é o time mais tradicional. O Palmeiras impôs o ritmo de jogo, mas isso não significa um bom ritmo. Na verdade, o São José pouco criou e pouco assustou, exceto por um ou dois lances em que nosso goleiro Daniel Fuzato brilhou.

O capitão Augusto, zagueiro que teve um fraco primeiro jogo, marcou um golaço de letra ainda no primeiro tempo após cruzamento de Bruno Garcia pela esquerda. No segundo tempo, quando o Palmeiras já trocava passes esperando o fim de jogo, tivemos uma bola enfiada para Artur que, após dividir com o goleiro, cruzou na área para Daniel marcar e fechar o placar.

O time demonstrou mais uma vez as falhas dos jogos anteriores, já comentadas. O técnico parece estar conhecendo os jogadores agora, já que experimentou a terceira formação diferente em três jogos, mesmo com todas as peças à disposição (exceto Jeferson, machucado, e Arancibia, suspenso). Difícil compreender como o time que 'deu liga' na Copa RS ao final de 2015 demonstra tanta dificuldade agora.

De qualquer forma, foi mais uma agradável noite. Estamos classificados, em segundo no grupo (Sampaio Corrêa bateu o Estanciano na preliminar), e pegaremos agora o Flamengo de Guarulhos na próxima fase.







quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

05/01/2016 - Estanciano-SE 0x0 Palmeiras

Estádio Martins Pereira - Copa São Paulo de Futebol Júnior

Dois jogos na Copinha, e dois empates. Jogando de branco, o Palmeiras não conseguiu vencer o Estanciano e, com o resultado do jogo preliminar (em que o Sampaio Corrêa venceu o São José) irá para a terceira partida pressionado (embora ainda dependa só de si).

Curiosidade: o time que jogou com a camisa do Estanciano, de Sergipe, é na verdade o Araponguense, do Paraná. Um acordo entre os dois clubes fez com que os jogadores do time paranaense, cujo dono é um empresário, jogassem com a camisa do clube sergipano para usar a Copinha como vitrine. O time, encardido, não pode ser considerado ruim: o trio de ataque certamente aparecerá em times principais em breve.

Já o Palmeiras mostrou a mesma desorganização de um time que acabou de se conhecer. Mesmo com mudanças em relação à partida anterior as jogadas não eram criadas. Não entendi também o que o técnico quis fazer ao inverter os laterais e os pontas: todas as nossas jogadas passaram a ser individuais, na diagonal, totalmente previsíveis para defesa adversária - sem falar no gol perdido por Kauê exatamente por não ter a perna direita para finalizar. Já a nossa defesa sofreu para parar "com pé trocado" as descidas dos adversários pelas laterais.

De qualquer forma, o jogo não foi bom pra nenhum lado, com apenas alguns lances de perigo. Ao final do jogo, ainda, Arancibia acabou expulso após perder a cabeça em um lance isolado. Este lance, além dos outros momentos de afobação e de "fome" dos demais jogadores, são típicos da categoria. Se este time se mantiver durante o ano, poderemos aspirar algo a mais em 2017. Por enquanto, apesar de ter seus bons momentos, o time como um todo não empolga.







segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

03/01/2016 - Palmeiras 2x2 Sampaio Corrêa

Estádio Martins Pereira - Copa São Paulo de Futebol Júnior

Link para um texto com impressões da estréia e do elenco

Primeiro jogo do ano, e finalmente pude acompanhar o Sub-20 do Palmeiras jogando a Copa SP - caímos no grupo de São José dos Campos junto a Sampaio Corrêa, Estanciano-SE e um dos times locais. Com entrada franca (e por isso não há imagem do ingresso) tivemos bom público para as duas partidas, já que SJC x Estanciano foi logo depois da partida do Palmeiras.

Confesso que pouco conheço do time de base, além das informações sobre jogadores formados ou contratados, e pelo pouco que acompanhei da Copa RS de futebol sub-20. Ainda assim foi possível ver algumas boas qualidades. Muitos dos moleques querem apenas mostrar serviço (de olho em sua renovação de contrato) e o time mostra pouco coletivo, o que explicará uma queda precoce na competição. De qualquer forma, levamos um gol por um setor desfalcado, já que perdemos o lateral esquerdo Jeferson logo de cara, improvisando Bruno (atacante) na posição.

O segundo gol dos maranhenses saiu no segundo tempo, numa besteira após um escanteio. Obviamente o Sampaio começou o cai-cai irritante, buscando parar o jogo. O Palmeiras tinha muito mais volume, como não poderia deixar de ser, e é inegável a melhora após o deslocamento de Kauê para a esquerda e a entrada do chileno Arancibia para comandar o meio. Deu resultado, uma vez que os dois gols que fizemos passaram por estes dois: armação de Arancibia e gols de Kauê. Vitinho ainda perdeu gol feito ao carimbar a trave aos 46, e acabamos no empate.

Temos boas peças ali. Quem me chamou a atenção foi Altair, volante pesado mas preciso, que desarmou quase todas. Kauê fez dois, mas perdeu outros dois por afobação e mau controle da bola. Vitinho e Arancibia têm grande potencial, e podem no futuro ser aproveitados para compor elenco.

Não tenho grandes expectativas, mas foi uma tarde agradável vendo o Palmeiras depois de um mês sem ir ao estádio. Terça-feira tem mais!