quarta-feira, 22 de junho de 2016

21/06/2016 - Palmeiras 2x0 América-MG

Estádio Palestra Itália / Allianz Parque - Campeonato Brasileiro




O Palmeiras recebeu o América-MG em jogo antecipado por causa de outro evento no estádio - a torcida havia até ameaçado sabotar o evento caso não pudéssemos jogar em casa. Para uma noite de terça-feira,  público bom para ver mais uma vitória e a manutenção da liderança do campeonato.

Com o mesmo time que batera o Santa Cruz no fim de semana o Palmeiras jogou fácil, com jogadores leves e rápidos no meio, não fixando um volante pesado (como seria Thiago Santos ou Gabriel) para cobrir a defesa. Moisés recuava para buscar a bola, e tinha diversas opções para distribuí-la: a dupla Jean/Tchê Tchê pela direita, ou Cleiton Xavier pelo meio ou mesmo enfiar a bola para Dudu e Roger Guedes nas pontas. Apenas a lateral esquerda apoiou pouco - Egídio realmente fez uma má partida.

De pé em pé, com toques precisos, o Palmeiras envolveu o América e chegava à área adversária com facilidade. Aos 18, após boa movimentação, Roger Guedes evitou a saída da bola cruzando para Cleiton Xavier, e ajeitou para a finalização de Gabriel Jesus. Dez minutos depois, o segundo veio novamente após boa troca de passes. A bola girou no campo de ataque para novo cruzamento rasteiro de Roger, e o toque fraco (mas direcionado) novamente de Gabriel Jesus.

Fato inusitado: reparem nas fotos abaixo que o Palmeiras voltou com dez para segundo tempo, por causa de um "imprevisto estomacal" de Tchê Tchê - ele acabou voltando aos três minutos. Com Fabiano, em sua estréia, no lugar de Jean, e mais tarde Zé Roberto e Vitinho substituindo Egídio e Cleiton Xavier, o Palmeiras continuou com a mesma pegada e criou muitas chances. Caberiam mais gols, mas a vitória veio de qualquer forma. Destaque para as excelentes atuações de Roger Guedes e Moisés.







quarta-feira, 15 de junho de 2016

14/06/2016 - Palmeiras 1x1 Flamengo

Estádio Martins Pereira - Campeonato Brasileiro Sub-20

Links para matérias da partida aqui e aqui.

Na última rodada do Brasileiro sub-20, além de Palmeiras x Flamengo jogavam Internacional x Ponte Preta, no mesmo horário. Palmeiras se classificaria até mesmo com um empate, desde que a Ponte não vencesse e tirasse a diferença de dois gols de saldo - o que infelizmente foi o resultado final da noite.

O Palmeiras impôs o ritmo de jogo o tempo todo, no frio fim de tarde em São José. Foram três bolas na trave - duas que chegaram a balançar o travessão - e diversas jogadas de perigo, mas quem marcou primeiro foram os visitantes já no final do primeiro tempo. Empatamos com um golaço aos 44 minutos, mas sem muito mais tempo para a virada que garantiria a classificação.

O destaque negativo fica para a "torcida", que não só não incentivava como criticava os NOSSOS jogadores, mesmo com uma boa apresentação do time - e em um estádio vazio qualquer grito era ouvido de dentro de campo. Embora seja atualmente prático pra mim, é de se pensar se vale a pena manter São José como casa para os times de base.






Seguem alguns lances que eu mesmo filmei, além de vídeo do YouTube.



segunda-feira, 13 de junho de 2016

12/06/2016 - Palmeiras 1x0 SCCP

Estádio Palestra Itália / Allianz Parque - Campeonato Brasileiro




Após 23 anos da conquista do Paulista de 1993, o Palmeiras voltava a campo novamente em um 12 de junho para jogar, desta vez pelo Brasileiro, contra o velho rival. Com o desfalque de Vitor Hugo na zaga, Cuca mandou Dracena a campo com Thiago Santos mais recuado para proteção. Dracena sofreu com a falta de ritmo e Thiago Martins deve ter sentido o dérbi, mas no geral Cuca conseguiu suprir a deficiência técnica com um bom posicionamento.

Para a saída de bola, Tchê Tchê mostrou muita disposição nas descidas com Jean. Zé Roberto, no entanto, pouco se entendeu com Roger e Dudu, e quando se lançava ao ataque o fazia de forma mais lenta - as jogadas foram construídas portanto pela direita ou pelo meio com Moisés, que teve altos e baixos na partida. Dudu e Gabriel Jesus flutuavam e puxavam a defesa adversária, buscando a abrir buracos.

O Palmeiras chegou diversas vezes com perigo durante os primeiros 25 minutos, que foi o tempo necessário para que o rival conseguisse entender o esquema de Cuca e acertasse a marcação. A partir daí valeu a formação da defesa, que desarmou tudo que o rival tentou, com alguns poucos sustos de ambos os lados.

Para o segundo tempo Cuca sacou Roger e mandou Cleiton Xavier pro jogo, recuando Moisés que, se não era efetivo no ataque até ali, estava desarmando bem o meio de campo. Logo no início, Dudu rolou pra Moisés na esquerda, que invadiu a área e bateu forte para uma defesa dificílima. Não adiantou: no rebote, Cleiton Xavier cabeceou com consciência no canto aberto. Gol e explosão do Palestra Itália.

Nos dois lances após o gol quase sofremos o castigo, o que incluiu aí uma bola na trave. Esfriando a afobação, o Palmeiras dominou a partida, principalmente depois que o 'sábio estrategista' rival fez mudanças totalmente equivocadas. No desespero, ainda sobrou tempo para uma bola alçada em nossa área, que terminou em uma finalização ao gol após o jogo já interrompido. Houve absurda reclamação da parte do rival, mas de fato nenhum argumento que já não tenha sido destruído pela própria mídia que tanto enaltece o 'sábio estrategista'.

Deu tempo ainda de conhecer Alberto Valentim, meu ex-vizinho, no caminho de volta. No próximo sábado não estarei lá por motivos pessoais. Devo voltar contra o América, na rodada seguinte.









segunda-feira, 6 de junho de 2016

25/05/2016 - Palmeiras 2x0 Fluminense

Estádio Palestra Itália / Allianz Parque - Campeonato Brasileiro



Véspera de feriado então tive alguma dificuldade para chegar ao Palestra, mas nada que me impedisse. Esperávamos ver o Palmeiras retomar o bom futebol da estreia, depois de ter perdido algum moral após a derrota fora de casa. O primeiro tempo não teve grandes destaques, e o time sofreu com a discreta atuação de Cleiton Xavier na armação das jogadas. Vimos muitas ligações diretas dos volantes ou laterais mais recuados para os dois pontas Roger Guedes e Gabriel Jesus, mas sem grande perigo.

No segundo tempo a armação passou a ser comandada por Moisés, que substituiu Egídio, e por Dudu, que assumiu parte do espaço do meio. Alecsandro entrou no lugar de Xavier e passou a jogar fixo na área, puxando a marcação para a descida dos pontas. O Palmeiras ganhou mais volume de jogo e velocidade, e em dois minutos marcou dois gols: Vitor Hugo finalizou após cobrança de falta de Dudu, e no lance seguinte Alecsandro completou cruzamento de Jean para fechar o placar.

Se não foi uma apresentação de gala, ficou claro que o Palmeiras tem muito mais variações táticas do que imaginado - e olha que o Cuca nem no banco de reservas estava por causa da expulsão na rodada anterior. Se os fatores extra-campo não nos prejudicarem, acredito que o time esteja caminhando para brigar por boas posições no campeonato e, por que não, sonhar com o título.

Na próxima semana, contra o Grêmio, desfalcarei a torcida por estar em viagem de trabalho. Devo retornar ao Palestra apenas no dérbi, que deve ser (se tudo der certo) meu primeiro no novo estádio.