quinta-feira, 22 de junho de 2017

21/06/2017 - Palmeiras 1x0 Atlético-GO

Estádio Palestra Itália / Allianz Parque - Campeonato Brasileiro



Demonstrando evolução partida a partida, o Palmeiras precisava consolidar a volta da confiança após a boa vitória fora de casa na rodada anterior. Contra um dos lanternas do campeonato a tarefa não parecia tão complicada, mas os desfalques (Thiago Santos contundido e William suspenso) novamente impediram Cuca de escalar o time titular por duas rodadas consecutivas.

Com Jean e Tchê Tchê fazendo a proteção à zaga, Egídio e Mayke nas laterais puderam subir com frequência e jogar com Roger Guedes e Keno, tendo ainda Borja como centroavante e Guerra pelo meio. Esta postura ofensiva já era esperada, e resultou em uma retranca absurda dos visitantes. O jogo tinha poucos lances de perigo, e Prass também passou por alguns apuros. Boas tabelas aconteceram apenas após a metade do tempo, e já nos acréscimos Borja marcou o único gol da partida, após jogada de Roger Guedes pela lateral.

Os visitantes tiveram que partir pra cima, mas pouco foi criado para aproveitar os contra-ataques. Guerra (o melhor do time, já falo há muitas rodadas) fez ótima jogada e passou para Borja em profundidade, mas o goleiro salvou com os pés o que seria nosso segundo gol. Cuca mandou Dudu (retornando de contusão) a campo no lugar de Keno, além de Luan e Raphael Veiga nos lugares de Tchê Tchê e Borja. Sentindo a falta de ritmo, nosso camisa 7 perdeu um gol na pequena área, sozinho, chutando para cima um bom cruzamento de Roger Guedes.

Prass ainda fez milagre em contra-ataque rápido, tirando com as pontas dos dedos uma bola com endereço certo. Pouco depois, Guerra ajeitou o corpo para aproveitar uma bola lançada de nossa defesa, e bateu de forma consciente buscando encobrir o goleiro, que tirou por muito pouco. Quase um golaço.

Apesar de outros lances de perigo, o jogo terminou com nossa vitória pelo placar mínimo. Sem volantes de contenção e com dois apoiadores nas laterais o Palmeiras não rendeu e demonstrou fragilidades. Ainda assim emendamos a segunda vitória seguida, mas aguardamos correções táticas para quando esta formação tiver de ser usada novamente, além do retorno dos desfalques. 







terça-feira, 20 de junho de 2017

10/06/2017 - Palmeiras 3x1 Fluminense

Estádio Palestra Itália / Allianz Parque - Campeonato Brasileiro


Clique aqui para a ficha técnica

Continuando com seus testes - claramente utilizando o Brasileiro como uma estécie de pré-temporada tardia - Cuca optou por deixar Thiago Santos no banco e voltar Felipe Melo à volância, retornando também Zé Roberto e Jean ao time titular. Logo no início de jogo um gol com a cara de 2016: Zé Roberto cobrou lateral, William cabeceou pra trás e Guerra (insisto, o melhor do time já há tempos) abriu o placar.

Buscando a vitória e, com ela, o fim da oscilação, o Palmeiras levou algum tempo para se acertar em campo, permitindo que o adversário empatasse em jogada que envolveu a defesa. Cuca inverteu Jean com Tchê Tchê, o que já ensaiava há algumas partidas, fechando o meio e permitindo maior apoio ao ataque. Depois de insistir algumas vezes, voltamos à frente no placar: o criticado Roger Guedes se livrou de dois na lateral do campo e foi à linha de fundo, tocando pra trás para a finalização de Keno. Ainda deu tempo para uma excelente defesa de Prass antes do intervalo.

Na volta, jogo nervoso e com arbitragem ruim. Poderíamos ter matado a partida em diversos lances, mas com as modificações (Cuca lançou Thiago Santos, Fabiano e Michel Bastos nos lugares de Jean, Felipe Melo e Keno) ambas as equipes perderam o ritmo, fazendo com que as jogadas de perigo fossem mais raras. Já nos acréscimos, porém, Prass fez uma defesa incrível após falha defensiva, e no contra-ataque Roger Guedes venceu a marcação na velocidade para marcar o seu e definir o placar.

Atuação consistente e resultado merecido. Que estejamos encontrando o caminho e que o time demonstre a mesma vontade nas próximas partidas.



segunda-feira, 5 de junho de 2017

04/06/2017 - Palmeiras 0x0 Atlético-MG

Estádio Palestra Itália / Allianz Parque - Campeonato Brasileiro



A escalação já mostrava que Cuca estava disposto a mudanças no time que apresentara mau futebol nas últimas duas rodadas como visitante, e também na partida em saímos derrotados (mas com a classificação) pela Copa do Brasil: Borja, Jean, Zé Roberto e Felipe Melo ficaram de fora, dando chances para Egídio, William, Thiago Santos e Maike. O foco foi notoriamente no campo defensivo, mas o Palmeiras partiu pra cima e prensou o adversário no campo deles, mandando no jogo e ditando o ritmo de toda a partida.

Foram diversas chances claras que pararam na falta de capricho dos arremates, nas intervenções do goleiro e até mesmo no travessão, após bela jogada e finalização de Keno (que ficou com a vaga de Dudu, lesionado na partida do meio de semana). O bombardeio só parava quando o juiz, abaixo de medíocre, interrompia os lances com faltas inventadas ou invertidas. Poderíamos ter ido para o intervalo com a vantagem, mas William bateu muito mal uma penalidade já nos minutos finais, deixando fácil para o goleiro defender. Um pecado.

Cuca mandou Borja no lugar do apagado Roger Guedes, e logo de cara o Palmeiras mostrou que queria a vitória em grande lance de Mina, que carregou até o ataque, sofreu falta, e após bate-rebate na cobrança o goleiro salvou milagrosamente o que seria o gol de Tchê Tchê. A pressão era enorme, e após mais lances de perigo Borja mandou um balaço da intermediária e quase faz um gol antológico, não fosse novamente a intervenção milimétrica do goleiro. Não era dia. Foram diversas outras chances, com jogadas construídas pelo lado direito após Michel Bastos ter entrado no lugar de Keno, e também criadas por Guerra (novamente em ótima tarde), mas ainda tivemos que contar com uma defesa salvadora de Prass em uma das poucas oportunidades que o adversário teve.

O time demonstrou um bom futebol, Keno e Guerra fizeram grande partida, mas a vitória não veio. Embora boa parte da torcida tenha vaiado o time ao final do jogo, a maioria aplaudiu o que parece ser o início do retorno ao estilo de jogo que queremos ver. Cuca tem as peças e parece saber o que está fazendo. Torçamos para que a posição atual na tabela não desanime jogadores, comissão e torcida.







quinta-feira, 25 de maio de 2017

24/05/2017 - Palmeiras 3x1 Atlético Tucumán (ARG)

Estádio Palestra Itália / Allianz Parque - Taça Libertadores da América



Apesar da derrota na quinta rodada, o Palmeiras foi para a última partida da fase de grupos da Libertadores em posição razoavelmente confortável: até mesmo com derrota seguiríamos para as oitavas. Ainda assim, todos esperávamos uma atuação consistente para tirar a má impressão que ficara na partida anterior, e dar o moral que o time precisa para as fases seguintes (e também para outras competições).

O Palmeiras começou com ritmo intenso e articulou jogadas pelas laterais e pelo meio, com bom volume de jogo. Aos 15 minutos o gol em jogada ensaiada: Dudu, Zé, Guerra, Roger Guedes em profundidade e cruzamento para Mina marcar. Lindo lance! Apesar de um susto (uma bola na trave em um contra-ataque) o Palmeiras continuou melhor, criando chances e pecando um pouco na finalização. O time tirou o pé e parecia contente com o resultado, e quase levou o castigo já que o adversário perdeu chance incrível.

Na volta do intervalo a quase apatia do time permaneceu, e os visitantes marcaram duas vezes em dois ataques: o primeiro, impedido e corretamente anulado, mas o segundo contou com uma rara falha de Fernando Prass e decretou o empate. Cuca mexeu, pôs William e Fabiano nos lugares de Borja e Roger Guedes, passando Jean para o meio, e o time pareceu outro. Pouco depois, o desempate: boa jogada de recuperação e bola sobrando para William marcar.

Mais tarde, com Michel Bastos no lugar do ótimo (mas cansado) Guerra, o time manteve o ritmo mas quase levou o castigo em falha de Jean - a trave e Prass nos salvaram. Com o jogo aberto, o Palmeiras criou ótimas chances e teve oportunidade até de golear. Nos minutos finais, mais um gol: Bastos enxergou Tchê Tchê pela direita, que recebeu e cruzou para Zé Roberto marcar um golaço. Fim de jogo e classificação assegurada em primeiro lugar do grupo.







sexta-feira, 19 de maio de 2017

17/05/2017 - Palmeiras 1x0 Internacional

Estádio Palestra Itália / Allianz Parque - Copa do Brasil




Após a boa estreia no Brasileiro o Palmeiras iniciou a campanha pelo tetra da Copa do Brasil em casa, já pelas oitavas-de-final. O clima era excelente e o time (com a mesma formação da goleada) foi pra cima, preenchendo os espaços e ensaiando uma pressão, embora não conseguisse boas finalizações. O adversário, também bem encaixado, equilibrou a partida e o jogo ficou aberto: boas oportunidades (e sustos) de ambos os lados.

Após diversas tentativas o Palmeiras encontrou seu gol: Felipe Melo tocou para William na direita, que fez grande jogada e enxergou Borja na área; o cruzamento veio rasteiro, mas antes de chegar ao nosso centroavante a bola foi cortada pelo zagueiro, que acabou marcando contra. Borja teve excelente oportunidade mas errou por pouco o último toque. De qualquer forma, fomos para o intervalo com vantagem.

Na volta, sem mudanças, o Palmeiras bombardeou a meta adversária com Dudu, Jean, Mina, Guera, e uma linda bola de William de fora da área que contou com intervenção milagrosa do goleiro. Com o ritmo intenso, o time recuou e acabou chamando o adversário, que quase marcou - Fernando Prass fez uma defesa espetacular a queima-roupa. Cuca experimentou algumas variações, clocando Roger Guedes no lugar de Borja, e mandando Fabiano e Erik a campo nos lugares de William e Guerra. Se referência, o time jogou leve e mostrou uma variação interessante, mas não houve tempo para muito mais.

No último minuto, porém, Dudu fez o pivô e saiu em disparada para o ataque. Erik, sozinho pelo meio, era gol certo, mas Dudu levou sozinho e acabou batendo em cima do goleiro. Que não faça falta no próximo dia 31, na partida de volta, fora de casa.







quarta-feira, 17 de maio de 2017

14/05/2017 - Palmeiras 4x0 Vasco

Estádio Palestra Itália / Allianz Parque - Campeonato Brasileiro




Exatamente um ano depois da estreia do Brasileiro 2016 o Palmeiras voltou ao Palestra Itália para vencer, e mais uma vez por quatro a zero. A partida foi cercada de festividades e participações especiais (atores, DJs), pois tratava-se de abertura oficial do campeonato tendo seu Campeão em campo - o Palmeiras recebeu oficialmente o patch de campeão em cerimônia anterior ao jogo. Além disso, é claro, o time contava com o retorno do técnico Cuca, substituindo Eduardo Baptista (desligado após a derrota pela Libertadores na Bolívia).

Impulsionado pela troca no comando e pela torcida de mais de 33 mil presentes, o Palmeiras começou com tudo e amassou o adversário em seu campo de defesa. De volta ao 4-2-3-1, Tchê Tchê voltou a mostrar o excelente futebol e a saída de bola funcionou muito bem, fazendo com que as jogadas saíssem com naturalidade. Logo aos seis minutos pênalti em Dudu que Jean bateu bem e converteu. Poderíamos ter aumentado com certa facilidade, mas faltou inspiração ao ataque e o tempo passou.

O adversário se arrumou e partiu pra cima, criando oportunidades e envolvendo nossa defesa. Deixamos eles gostarem do jogo, e com isso Prass precisou fazer algumas intervenções. Com modificações táticas no decorrer do primeiro tempo (grande Cuca), o Palmeiras encaixou a marcação e partiu pra cima, marcando o segundo com Guerra, aos 40, após rebatida do goleiro. Levamos um susto, uma bola na trave após recuo mal feito de Jean, mas fomos para o intervalo com a vantagem de dois gols.

No segundo tempo o Palmeiras voltou avassalador, e no primeiro minuto Tchê Tchê fez boa jogada pela direita, cruzando na medida para que Borja mergulhasse para marcar o seu. O Palmeiras dominou completamente a partida, e sobrou em campo, criando jogadas que por detalhes não deixaram o placar ainda mais elástico. Aos 33, novo pênalti em Dudu e Borja guardou mais um, fechando a goleada.

Grandes expectativas para mais este campeonato, que tem tudo para ser mais disputado que o de 2016. Estaremos na torcida.